Método cosmo-biológico de concepção (ou contracepção)

postado em: Sem categoria | 0

Você já ouviu falar de um método para identificar seu dia fértil baseado nas influências da Lua? Trata-se de um plano de fecundação (ou contracepção) que indica datas específicas onde há maior probabilidade de engravidar. Além disso, é possível saber o sexo do bebê: tudo baseado na posição da Lua e das estrelas. Mesmo tendo recebido fama na área da medicina, seu criador, o médico tcheco Dr. Eugen Jonas já foi indicado duas vezes para o Prêmio Nobel de Ciência.

 

O retorno

Tenho visto um grande interesse em muitas mulheres sobre métodos naturais contraceptivos e sobre  a fertilidade. Se por um lado estamos tendo mais consciência dos efeitos colaterais que as pílulas contraceptivas resultam em nossos corpos, por outro estamos abrindo espaço para que nossa sensibilidade e conexão com nosso ciclo feminino cresça. Essa mudança de consciência nos alinha com a natureza externa e interna.

A consciência de que nós, seres vivos e humanos, vivemos conectados a uma grande sinfonia cósmica volta a ecoar dentro nós. Buscamos maneiras mais saudáveis de viver, de cuidar da nossa saúde, dos nossos filhos e da natureza, pois percebemos que nossa felicidade só é real quando está alinhada com este grande organismo chamado Terra.

A natureza tem suas leis, regras e seu sistema é muito preciso, exato. Isso fez com que o ser humano desenvolvesse calendários solares, lunares, e mais tarde, criou  o relógio para medir o tempo mais precisamente. Alguns ritmos cósmicos são claros para nós, como dia e noite, verão e inverno, maré alta e baixa. Sabemos da influência do Sol na natureza, de como ele permite que a vida continue a pulsar aqui na Terra. Um belo dia de Sol é capaz de abrir nossos corações, pois sua luz é carregada de energia vital, importante não apenas para nosso corpo físico.

Já a influência da Lua, das estrelas e dos planetas não são tão conhecidas como a do sol. De que forma eles atuam no corpo, mente e alma humanas? O ritmo feminino de fertilidade está sob a influência dos movimentos desses diferentes corpos celestiais. Quando falamos de um método natural de concepção (assim como de contracepção) nada mais claro do que levar em conta esta influência dos ciclos naturais e cósmicos.

 

Está nas nossas mãos ter consciência destas forças cósmicas. Em certo nível já temos, como por exemplo, nosso relógio biológico sente mais disposição durante o dia e à noite descansamos. Um agricultor conectado com os saberes populares conhece quais são as fases da Lua ideais para plantar, podar, colher, transplantar. Se plantar a semente na Lua “errada” (ou inadequada para tal intuito), ela simplesmente não germina. E uma semente humana? Será que a regra é a mesma? Como identificá-la?

 

Os antigos

Existem dinâmicas cósmicas pouco conhecidas (ou difundidas?) mas de enorme influência no processo da concepção. Esses fatores eram conhecidos em culturas antigas e atualmente com os resgates deste tipo de saber, voltamos a nos apropriar e  viver a consciência unitária: somos parte do todo, ou tudo está interligado/interconectado.

De acordo com algumas culturas antigas como as da Babilônia, chinesa, do Egito antigo e indiana, é a Lua que exerce uma maior influência sobre os ciclos femininos. Estas culturas possuíam profundo saber sobre as influências cósmicas, e por volta do século III a. C. a Deusa Istar era honrada e cultuada: ela é a Deusa da fertilidade; das forças da fecundação; da sexualidade feminina e da força erótica da atração.

Hipócrates, pai da medicina grega, por volta do século III a.C., dizia o seguinte: “Não conhecedor é o médico que nada entende de astrologia! A influência que a astrologia tem no processo de cura não é pequeno, porém grande”. E também: “Um médico sem conhecimento de astrologia não tem o direito de ser médico”. Melhor nem comentar qual é a relação dos nossos médicos atuais com as estrelas lá no céu…

Confúcio, pensador e filósofo chinês do século V a.C., afirmou: “Quem quiser conhecer o ser humano, deve primeiramente conhecer o céu, pois esse gerou o ser humano em sua natureza e sistema”.

A linha é a mesma para Tomás de Aquino, teólogo do século XIII, ao dizer: “Os corpos celestes são a origem de tudo o que acontece neste mundo sublunar”.

 

O tcheco Eugen Jonas, Estudante de medicina na década de 1950 começou a estudar a relação entre os ciclos de fertilidade da mulher e a influência da Lua, especificamente da sua Lua de nascimento, ou seja, a Lua na qual a mulher nasceu.

O que me fascina neste método é que ele representa mais uma possibilidade de entrar em contato com a força mágica da Lua. Sempre ouvi que a Lua nos rege, mas de qual forma? O uso da mandala lunar como calendário menstrual é também um convite para investigar e se aprofundar ainda mais nesta experiência feminina. E aqui vos apresento mais uma chance.

 

Mas enfim, como funciona este método do Dr. Eugen Jonas?  

Partindo do princípio exposto acima, o Dr. Jonas realizou (e ainda realiza, pois ainda está ativo) uma vasta pesquisa sobre a relação entre as fases da Lua e a fase fértil das mulheres. Sua famosa frase diz que: “a mulher é fértil durante certa fase da Lua”.

Segundo ele, temos dois ciclos de fertilidade, um correspondente ao ciclo menstrual e o outro ligado à Lua. Este último está em correlação com a fase da lua do seu nascimento e, por ser estável e mensurável, este ciclo no garante uma grande segurança por todo ano. Já o ciclo menstrual varia de fase para fase da mulher. De acordo com Eugen, nenhum outro método natural é preciso e exato sem que a fase da Lua seja levada em consideração.

 

Ou seja, para saber qual é sua fase fértil no próximo mês, você precisa:

Identificar em qual lua você nasceu: crescente, cheia, minguante ou nova? Se você não sabe, o sr. Google lhe diz. O dia dessa Lua, e mais especificamente o horário onde essa fase se completa representa no seu calendário mensal o momento de maior fertilidade. PORÉM, a regra é: se você deseja engravidar, deve ter relação sexual 24 horas antes da Lua alcançar tal estágio.

Você deve estar se perguntando sobre o ciclo menstrual. É possível e bastante frequente que estes ciclos não se sobreponham e com isso você tenha dois ciclos. Surpresa não é? Ou seja, você tem seu ciclo de ovulação que acontece por volta de 14 dias depois da descida da menstruação e, além desse, o ciclo da Lua, ligada à Lua do seu nascimento. Caso esses ciclos se cruzem (ou sejam concomitantes), suas chances de engravidar são de 99%.

“Nós sempre pensávamos que os ciclos menstruais e de ovulação fossem um só. Mas agora descobrimos que eles são como dois partidos políticos – às vezes seguem de mãos dadas para o bem da nação e às vezes eles seguem caminhos separados”, afirma Dr. Roger Pierson, diretor da unidade de pesquisa de biologia reprodutiva da Universidade de Saskatchewan, no Canadá, e pesquisador do método do Dr. Jonas. Segundo ele “teremos que literalmente reescrever os livros na área da medicina”.

No caso de mulheres que tentam engravidar e que por algum motivo não conseguem, como por exemplo em casos de infertilidade, quando elas fazem uso deste calendário lunar suas chances sobem para 85%. Interessante é que em caso de inseminação artificial no dia da ovulação baseado no ciclo menstrual, o índice de sucesso é de apenas 15%. Entretanto, quando os dois ciclos se juntam, as chances sobem para 99%.

 

Sobre os ciclos férteis, a astróloga Celisa Beranger afirma que: “Considerando a descoberta do Dr. Jonas uma mulher sadia tem dois ciclos férteis mensais: o primeiro corresponde ao seu próprio ritmo biológico, associado à menstruação e ovulação e o segundo baseado na repetição da fase lunar natal.“[1]

Uma informação que eu já havia escutado da Dra. Eleanor Luzes e que se repetiu na minha pesquisa sobre os estudos do Dr. Jonas é que, segundo cálculos astrológicos, existem dias não muito ideais para a concepção, como por exemplo, dias de catástrofes naturais como enchentes, furacão ou terremoto. Os acontecimentos do dia marcam a pessoa e como consequência ela pode viver com crenças de que a vida é uma catástrofe ou de que seja muito sofredora e difícil.

E o sexo do bebê?

Mesmo não entendendo nada de astrologia, você deve saber que existem doze signos do zodíaco, certo? Temos os signos de áries, touro, gêmeos, câncer, leão e assim por diante. A Lua, por sua vez, em seu percurso mensal, visita cada uma destas constelações durante cerca de dois dias e meio rigorosamente. Se você já ouviu que a Lua está em touro, é isso: a Lua, no seu movimento de transação, está passando pela constelação de touro. Depois ela segue para gêmeos, depois câncer, e assim por diante. Doze signos vezes dois dias e meio fecham vinte e oito dias, o tempo necessário para a Lua passar por suas quatro fases.

E de polaridades você também já deve ter ouvido falar, não? A natureza é regida por várias leis e uma delas é essa. São inúmeras as polaridades existentes na natureza: vida e morte, dia e noite, expansão e contração, atividade e passividade, positivo e negativo, masculino e feminino… Os signos do zodíaco também atuam de acordo com este princípio: seis deles são masculinos (Áries, Gêmeos, Leão, Libra, Sagitário e Aquário) e seis femininos (Touro, Câncer, Virgem, Escorpião, Capricórnio e Peixes).

Ou eja: para manter o princípio do equilíbrio (outra lei natural), a Lua intercala uma visita a um zodíaco feminino e dois dias e meio depois a um zodíaco masculino. E agora fechamos o raciocínio: a sua Lua de nascimento determina seu dia fértil na vida adulta. Nesse dia a Lua estará em alguma constelação, podendo ser ela feminina ou masculina. E é isso que determina o sexo do bebê. Segundo os resultados das pesquisas de Dr. Jonas, essa regra funciona em 98% dos casos.

E o que acontece no caso de gêmeos com sexos diferentes? Nesse caso a Lua estava num momento de transição entre um zodíaco e outro.

“O sexo do bebê será determinado pela posição da Lua durante o tempo de maior fertilidade, a mesma fase da Lua no nascimento. Lua em signos ativos menino signos negativos menina“, segundo Celisa Beranger.

 

De forma resumida, podemos falar que o método cosmo-biológico do Dr. Eugen Jonas tem três regras:
  1. O momento fértil ocorre durante a mesma fase da Lua na qual a mulher nasceu. Se ela nasceu na Lua nova, sua fase fértil na vida adulta será sempre nas Luas Novas, independentemente do seu ciclo menstrual.
  2. O sexo do bebê será determinado pela posição da Lua durante o tempo fértil da mulher – estando ela (a Lua) posicionada num zodíaco feminino ou masculino.
  3. Forças gravitacionais desfavoráveis no momento da concepção podem trazer direta influência para a gestação e o bebê.

 

Segundo minha pesquisa, este método quando usado como contraceptivo parecer ser tão seguro quanto a pílula anticoncepcional, porém sem seus efeitos colaterais. E se você pretende engravidar, suas chances são ainda maiores levando em conta sua Lua de nascimento. Vale lembrar da regra de manter relação sexual 24 horas antes desse período, já que o esperma se mantém vivo por até 72 horas, e com isso suas chances de engravidar aumentam.

Se você deseja seguir esse método natural de contracepção, aqui estão as instruções vindas do Centro de Pesquisa Astra, em Nitra (Eslovênia), no qual Dr. Eugen Jonas trabalha:
  1. “Marque em seu calendário em VERMELHO o dia da concepção Lunar, assim como seus três dias anteriores. Essa é sua fase de maior fertilidade.
  2. Aguarde até sua próxima menstruação começar e circule esta data na cor AZUL. Conte catorze dias seguintes ao dia azul. Circule o dia quinze em VERDE. Trace uma linha VERDE nos seis dias anteriores e posteriores ao círculo verde. Todos esses treze dias são possíveis dias férteis segundo seu ciclo menstrual.
  3. Para evitar uma gestação indesejada, não tenha relações sexuais em AMBOS OS DIAS VERMELHOS E VERDES”.[2] Caso contrário, divirta-se!

 

Na internet podemos encontrar algumas referências sobre esse tema, assim como depoimentos de mulheres compartilhando suas experiências positivas com este método, assim como um “calculador” automático da sua Lua fértil indicando o sexo do bebê, caso você queira engravidar. Nas referencias abaixo você encontra o link.

Eu fico agora curiosa para colocá-lo em prática e saber, daqui uns meses, da veracidade deste método. Será que engravidarei na minha próxima Lua de nascimento? Da mesma forma, ficaria muito feliz em receber uma mensagem sua, sabendo da sua experiência e do que achou deste método Lunar.

 

Referências:

Fiz minha pesquisa baseada no livro alemão “Kosmobiologische Empfängnisplanung: Die natürliche und zuverlässige Methode zur Empfängnisverhütung und Empfängnisplanung” dos autores: Shalila Sharamon e Bodo Baginski. [Tradução livre “Plano de concepção cosmo-biológico: o método natural e seguro para prevenção e planejamento da concepção”.]

Na internet, sobre o método do Dr Eugen Jonas você encontra em: <http://www.drjonasmethod.com/> Acesso em dd/mm/aa 20h54.

Cálculo de período fértil, tem o Calendário em inglês para o cálculo do seu período fértil lunar + posição da Lua no zodíaco (o que determina o sexo do bebê): http://www.lunarium.co.uk/calendar/conception.jsp

E em português: http://www.childrenparenting.com/pt/building-family/getting-pregnant/1009003781.html

[1] http://www.espaco-do-ceu.com.br/o-mapa-da-concepcao-outro-lado-do-mapa-natal/ Acesso em 25/07/2017.

[2] Tradução livre. Fonte: http://www.lunarium.co.uk/articles/jonas.jsp. Acesso em 25/07/2017

Deixe uma resposta